Não deixe o dinheiro – ou a falta dele – acabar com seu casamento

“O dinheiro é mais importante do que sexo quando se trata da duração ou da ruptura de um casamento”. O dinheiro é, segundo estudos da Experian, a principal causa das brigas entre os casais. Uma pesquisa feita no Reino Unido pela Experian, com 3 mil pessoas, apontou que nos últimos seis anos, questões financeiras representaram 56% das causas de divórcio.

De acordo com os especialistas da Serasa, os estudos britânicos se aplicam totalmente à realidade brasileira.

Vamos às dicas:

#TRANSPARÊNCIA: fale com seu parceiro sobre as finanças de casa, seja qual for a circunstância, não esconda e não omita.

#METAS: estabeleçam planos financeiros em conjunto, para o curto, médio e longo prazos. Eleja prioridades e estabeleça metas. Não adianta um querer um carro novo e outro uma viagem, deve haver consenso antes deste planejamento.

#PLANILHA: Coloque as contas na ponta do lápis. Está disponível uma planilha pra te ajudar nisso, baixa lá, é de graça: www.diogoesuagrana.com.br ou use um caderninho mesmo, o importante é enxergar!

#MEDOS: Discuta seus medos em relação ao dinheiro. Um pode ficar paranoico quando se faz um financiamento, por exemplo, já para o outro isto pode ser natural.

#GESTÃO DAS FINANÇAS DE CASA: Ou o homem ou a mulher, mas sempre, deixar a cargo de quem é mais familiarizado com o assunto dinheiro! Mas é necessário dividir as informações financeiras com o seu parceiro. Assim, o peso não fica nas costas de um só. A divisão das despesas da casa deve ser de comum acordo, eu prefiro que o dinheiro da casa seja um só, conta conjunta, mas há sucesso também quando se divide as despesas e estabelecem metas em conjunto, mesmo que a sobra do dinheiro seja de cada um.

#EMPRÉSTIMO: Nunca pegue dinheiro emprestado sem o acordo de seu parceiro. E por favor, dinheiro com a sogra e ou sogro sem consenso do parceiro JAMAIS!

#DESPESAS SUPÉRFLUAS: Estabeleça um limite financeiro para algumas extravagâncias. Por exemplo, um jantar fora de casa deve ser prazeroso e não uma dor de cabeça.

#POUPANÇA: Tenha sempre uma reserva para as vacas magras. Imprevistos acontecem, você ou seu parceiro podem ter uma redução na renda, perder um emprego ou até mesmo ficar doente. Sugestão: até 35 anos que você tenha 6 meses de salário poupado e acima desta idade, 12 meses, assim você terá tranquilidade enquanto busca uma deposição ou alguma outra alternativa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.