Já ouviu falar em Orçamento Base Zero?

Quando uma empresa precisa reduzir custos, ao invés de usar o orçamento do ano anterior como base, elas começam do zero. Sim, do zero. A ideia é eliminar os vícios do orçamento anterior e estabelecer novas prioridades, para começar o ano focando no que realmente é necessário.

E se a gente aplicar essa estratégia na vida financeira pessoal? Durante os meses, vamos replicando os gastos do mês anterior para termos uma noção dos previstos e isso é maravilhoso. Mas que tal você se organizar para começar um novo ano (a gente não precisa esperar 2018 acabar para fazer isso) estabelecendo um novo planejamento começando do zero?!

Já experimentou? Que tal fazermos?

1ª etapa: Choque nos gastos

A primeira coisa que a gente faz pra tentar otimizar os gastos é passar aquele pente fino nos boletos, cartão de crédito e avaliar dentro das suas atuais despesas, o que tem passado dos limites e onde é possível reduzir alguma coisa, correto? A proposta do OBZ é te levar a uma dessas avaliações, porém, de forma bem mais minuciosa. Do tipo, será que você precisa de TV à cabo? Você precisa ter um carro? Ou precisa andar de carro todos os dias? Será que seu estilo de vida não tem te levado a gastos equivocados?

Pensando assim, ao invés de você replicar o borderô no ano/período anterior, você começa um planejamento do zero. É como se você considerasse não ter grana para pagar aluguel, seguro de carro, restaurantes aos finais de semana, tv a cabo e por aí vai. Nessa situação, você é obrigado a olhar e questionar cada despesa, priorizando o que é mais importante dentro do seu contexto de vida nesse momento.

Esse processo é mais trabalhoso sim, mas além de gerar mais economia, gera o principal: mudança de mentalidade. Você se vê obrigado a sair da inércia de ir vivendo sempre de acordo com o que “sempre fez” e começa a ter que reajustar seu orçamento.

2ª etapa: Ponto de Partida

Pra começar, você deve se perguntar o que é essencial para sua sobrevivência e de todas as pessoas que moram com você. E comece a questionar esses valores, por exemplo: em sua casa vocês têm mais de um carro. Suponhamos que sejam 2. Será que vale a pena ter mesmo os dois carros? Tem algum trajeto que poderia ser feito usando transporte público ou ainda andar de aplicativos de transporte todos os dias? Um carro envolve gastos como gasolina, manutenção, IPVA, perde valor na depreciação e o $ colocado no carro não rende nada. Já colocou na ponta do lápis pra ver se vale a pena manter dois ou até mesmo um só ao invés de usar outros meios de transporte?

Um outro exemplo seria sobre moradia. É claro que mudar de casa/apartamento não é tão simples. Mas vamos supor que atualmente você paga R$1.500 de aluguel. Será que você conseguiria um apartamento do mesmo jeito por um preço menor? Ou será que você consegue um apartamento com um condomínio mais barato, que na ponta do lápis, te ajude a economizar com academia e lazer?

Se o local onde você mora tem transporte público acessível e você se utiliza disso para trabalhar, vale a pena deixar o carro parado na garagem? Por que não vender o carro e optar pelo serviço de motorista particular (Uber, 99, etc) aos finais de semana?

📌  Esqueça o padrão anterior e estabeleça algo novo, pra você começar uma nova fase. Defina os objetivos para curto, médio e longo prazos, liste todas as suas despesas para alcançá-los e viver daqui pra frente.

📌 Classifique os gastos em: fundamentais e não tão importantes. Pegue sua lista anterior e coloque cada item em uma das colunas.

📌 Identifique os excessos – certamente você vai perceber que algumas coisas não cabem em nenhuma das duas colunas propostas. Corte esses itens do seu novo planejamento. Feche a torneira MESMO.

3ª etapa: Questione, priorize e acompanhe seus gastos!

Essa é a hora que você fará uma revisão final na sua lista.

📌 Questione despesa por despesa. Essa sabatina é a mais importante em todo o processo. Converse com seus familiares e entrem em um acordo, mas reduza todos os gastos que não são essenciais.

📌 Crie uma torre de prioridade. Se possível, desenhe mesmo em uma folha para deixar visível em sua casa. Comece pela base com os itens mais importantes e deixe a ponta (topo) para os menos importantes. Ao lado dessa torre, faça uma nova com os valores de cada item até que você alcance o valor total do que você tem disponível para gastar. Os itens que, mesmo na torre, não se encaixarem em seu atual orçamento, corte!

📌 Acompanhe seus gastos! Nova vida estabelecida, acompanhe com rigor, anotando diariamente, se possível, seus gastos até que você consiga se restabelecer e entrar no novo ritmo. Com o tempo, seu OBZ vira rotina.

🍀 E aí, curtiu a proposta? Borá melhorar nossa vida financeira?